quinta-feira, 12 de maio de 2016

O SONHO DE DOM HELDER

“Sonhei que o Papa enlouquecia
e ele mesmo ateava fogo ao Vaticano e à Basílica de S. Pedro...
Loucura sagrada,
porque Deus atiçava o fogo
que os bombeiros em vão
tentavam extinguir.
O Papa, louco, saía pelas ruas de Roma,
dizendo adeus aos embaixadores credenciados junto a ele,
jogando a tiara no Tibre,
espalhando pelos pobres o dinheiro todo do Banco do Vaticano...
Que vergonha para os cristãos!
Para que um papa viva o Evangelho,
temos que imaginá-lo em plena loucura!...”

Meditações do Padre José (pseudônimo de Dom Helder Camara)

terça-feira, 29 de março de 2016

HELDER CAMARA, UM HOMEM UNIVERSAL

Eduardo Hoornaert
Historiador
Fortaleza, setembro de 2014
A cada ano fica mais claro que as dimensões da figura de Helder Camara ultrapassam as funções que ele ocupou na vida, especificamente a função de arcebispo católico de Olinda e Recife. A cada ano se ressalta mais seu valor universal, para além da diocese, da igreja do Brasil, do catolicismo e mesmo do cristianismo em geral.  O primeiro a enxergar isso, 15 anos atrás, foi o escritor e dirigente comunista francês Roger Garaudy. No livro ‘Helder, o Dom’ editado pela Vozes em 1999 e coordenado por Zildo Rocha, ele escreve textualmente: ‘Meu primeiro encontro com Dom Helder foi o momento mais importante de minha vida’ (p. 29). 

quarta-feira, 16 de março de 2016

DOM HELDER E A ESPIRITUALIDADE DO CONFLITO

João Pubben

Padre de São Vicente

Palestra proferida durante a “Semana Dom Helder Camara”,
Fortaleza, 29 de setembro de 2009


Irmãs e Irmãos,

Paz e Alegria para todos vocês!

Os membros de “O Grupo” nos convidam para refletirmos juntos sobreDom Helder e a espiritualidade do conflito”.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

A ATUALIDADE DE DOM HELDER CAMARA PARA AS NOVAS GERAÇÕES E A IGREJA DE FRANCISCO


Lucy Pina Neta

Historiadora do Instituto Dom Helder Camara (IDHeC) – Recife (PE).

Adital, 2014
(Colaborou Marcela Belchior)

A comunhão entre a vida de Dom Helder Camara e suas pregações é seu maior trunfo contra os que o acusam de ter sido demagogo. A afirmação é da professora Lucy Pina Neta, historiadora do Instituto Dom Helder Camara (IDHeC), sediado em Recife, Estado de Pernambuco. Em entrevista à Adital, ela discute o contexto sociopolítico e cultural que permeou a atuação de Dom Hélder e que fez dele uma referência ainda bastante atual para as novas gerações.


sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

ALGUMAS ANOTAÇÕES A RESPEITO DE MEUS ENCONTROS COM DOM HELDER CAMARA

APRESENTAÇÃO

O relato que segue apresenta “ALGUMAS ANOTAÇÕES” dos muitos anos que Padre João Pubben conviveu com Dom Helder Camara, em especial nos últimos anos da vida do bispo-emérito de Olinda e Recife.
Padre João nasceu na Holanda. Membro da Congregação da Missão (Padres Lazaristas), foi ordenado padre em 19 de março de 1965. Chegou ao Brasil no fim de 1965 e, após alguns anos em Fortaleza, dedicou toda a sua vida, desde 1968, ao povo do Recife na comunidade de Dois Unidos, um bairro na periferia da capital pernambucana, distante do centro e habitado por gente simples e humilde. Por motivo de saúde, voltou a Holanda em 2013.
O texto que segue é um belo testemunho de uma convivência de duas pessoas que se encontravam e mutuamente se enriqueceram no serviço aos pobres.

Geraldo Frencken

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

PADRE HELDER CAMARA EM FORTALEZA

Os escritos sobre Dom Helder Camara sempre fazem referência à época dele no Rio de Janeiro, em Recife ou em lugares visitados nas inúmeras viagens realizadas ao redor do mundo. Dificilmente alguém se refere aos poucos anos que atuou aqui na capital cearense. Fala-se, às vezes com certo desprezo e em tom de crítica, sobre a sua participação na Ação Integralista Brasileira, como se isso constituísse um grande desmerecimento. É bom colocar a questão no contexto maior de sua atuação. Embora esteja consciente da necessidade de peritos no assunto aprofundarem mais a questão ora apresentada, gostaria de expor um retrato um pouco mais completo de Padre Helder em Fortaleza. [1]



segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

CITAÇÕES DE DOM HELDER CAMARA SOBRE A MISERICÓRDIA (ii)


No introito da Missa de hoje, temos uma das palavras mais belas e oportunas da Sagrada Escritura: lembramos a Deus que Ele é justo. Precisamente por isto, contamos com a misericórdia divina.  

Onde estão os que tanto gostam de apor justiça contra misericórdia? Onde estão os que dizem: “não vale falar demais em misericórdia. Deus, sem dúvida, é misericordioso, mas também é justo”. Em que consiste a justiça? Em dar a cada um o que merece. Quem nos fez e mede a nossa fraqueza, sabe, melhor que ninguém, que nenhum de nós suporta a justiça divina. Sabe que todos nós precisamos de misericórdia.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

CITAÇÕES DE DOM HELDER CAMARA SOBRE A MISERICÓRDIA (i)

Pertence à alma da Igreja e contará com a misericórdia divina todo aquele que é sincero, pensa na verdade, age de acordo com a própria consciência e, dentro dos limites da fraqueza humana, está disposto a fazer tudo o que Deus determina e quer. (Circular nº 18 – Anexo; 19/20.10.1963 – Volume 1, Tomo 1, p. 212).

O perigo não é amar demais: é amar de menos, com limitações, com estreiteza, com egoísmo. Quando, de fato, o amor se alarga e atinge as dimensões divinas, então, é amar sem medo, cumprindo o mandamento de Deus.

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

DOM HELDER - O BISPO VERMELHO

Rodolfo Domenico Pizzinga


 Dom Helder Câmara, entre os brasileiros, tem fama no exterior só comparável ao rei Pelé. Durante a ditadura militar de 64, a polícia federal se viu obrigada a lhe oferecer segurança, pois Brasília temia que o 'Bispo Vermelho' pudesse sofrer um atentado. Mas Dom Helder recusou e disse aos policiais: — Não preciso dos senhores. Já tenho quem cuide da minha segurança. Os agentes pediram os nomes. Precisavam registrá-los nos órgãos oficiais. O Bispo não se fez de rogado. — São o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Refletindo Dom Helder Camara - Geraldo Frencken

Geraldo Frencken
Adital
Dom Helder, Irmão e Profeta

Recife, 28 de agosto de 1999, a partir das 17.00 horas: uma multidão acompanha o carro dos bombeiros desde a Igreja das Fronteiras, cuja sacristia tinha servido durante quase trinta e dois anos como morada de Dom Helder Camara. Em cima do carro o caixão, e nele o corpo do Dom. Um percurso de uns sete, oito quilômetros. O povo cantando, rezando e dando adeus ao seu eterno pastor. O caixão desaparece debaixo das flores de todas as formas e todas as cores, “as rosas da minha vida”, como Dom Helder a elas se referia. Ao chegar à catedral de Olinda e Recife, em Olinda, a multidão aplaude ininterruptamente e, com horas de atraso, a Missa de corpo presente começa a ser celebrada. 

Dom Helder - Um Olhar Sobre a Cidade - ACERVO RADIOFÔNICO

Dom Helder - Um Olhar Sobre a Cidade

  • http://www.domtotal.com/tv/detalhes.php?mulId=29

Dom Helder Câmara

Quem foi Dom Helder - Vida

Nome completo: Helder Pessoa Câmara
Nascimento: 07 de fevereiro de 1909
Fortaleza, Ceará - Brasil
Falecimento: 27 de agosto de 1999
Recife, Pernambuco - Brasil

Pais: João Eduardo Torres Câmara Filho (jornalista, guarda-livros)
Adelaide Rodrigues Pessoa Câmara (professora)

Batizado: 31 de março de 1909.
Primeira Eucaristia: 29 de setembro de 1917.

Estudos: Seminário de São José (Fortaleza, Ceará).
Ordenado Padre em 15 de agosto de 1931.
Até 1936, atividades pastorais em Fortaleza e, a partir de 1936, no Rio de Janeiro.
Em 1950, apresenta ao amigo Monsenhor Montini (que viria a ser o Papa Paulo VI) seus planos para fundar a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) - fundada em 14 de outubro de 1952, da qual se torna Secretário Geral de 1952 a 1964, e Secretário da Ação Social entre 1964 e 1968

Dom Helder Câmara - uma retrospectiva de fatos

Tenho sobre minha mesa 10 pastas cheias de recortes sobre D. Helder Câmara. Cobrem o período que vai de 1964 até 1977. A simples existência dessas pastas, cheias de recortes que nos informaram, aqui no Brasil1 de TODOS os pronunciamentos de D. Helder Câmara, muitos transcritos na íntegra e em TODOS os jornais, desmentem por si só a alegação de que D. Helder é aqui "totalement censuré", como costuma dizer contra nós o jornal "La Croix" de Paris. Mas, como não pretendo ser democrata nem partidário da liberdade de imprensa (no sentido em que esta expressão é entendida nos Estados Unidos) acrescento que uma coisa D. Helder Câmara tem sido e continua sendo, graças a Deus, impedido de fazer pelo Governo brasileiro. Não que seus pensamentos sejam expressos e publicados mas, sim, que ele faça CAMPANHAS públicas em que mistificaria a opinião pública com sua condição de Arcebispo, fingindo que a Igreja Católica, a que tem 20 séculos e é sempre a mesma, endossa suas atitudes. Isso sim, graças a Deus, lhe é proibido.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

BIOGRAFIA COMPLETA DE DOM HELDER EM PDF


Helder Câmara, um homem universal. Eduardo Hoornaert.

A cada ano fica mais claro que as dimensões da figura de Helder Câmara ultrapassam as funções que ele ocupou na vida, especificamente a função de arcebispo católico de Olinda e Recife. A cada ano se ressalta mais seu valor universal, para além da diocese, da igreja do Brasil, do catolicismo e mesmo do cristianismo em geral.  O primeiro a enxergar isso, 15 anos atrás, foi o escritor e dirigente comunista francês Roger Garaudy. No livro ‘Helder, o Dom’ editado pela Vozes em 1999 e coordenado por Zildo Rocha, ele escreve textualmente: ‘Meu primeiro encontro com Dom Helder foi o momento mais importante de minha vida’ (p. 29). Não se escreve uma frase dessas à toa. Ela resume uma vida inteira. Ele explica: ‘em 1967, eu estava participando de um encontro em Genebra e, no intervalo de uma das sessões, alguém me procurou para dizer: um arcebispo o espera no corredor´. Era Helder Câmara, que logo tomou a palavra e propôs ao dirigente comunista um pacto: você diz aos comunistas que religião nem sempre é alienação e eu digo aos católicos o socialismo não é algo condenável. Num de seus escritos, Helder Câmara comentou esse momento com as seguintes palavras: ‘eu sentia que no essencial Roger Garaudy e eu pensávamos da mesma maneira’. Um dirigente comunista e um arcebispo católico pensam da mesma maneira! Isso não é sinal de universalismo? E o texto de Garaudy termina com as seguintes palavras: ‘Graças a Dom Helder Câmara, o muçulmano que sou e o marxista que não deixei de ser consideram Jesus o eixo central de minha vida’ (p. 31).

15 Frases de Helder Camara

“Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo.” 

TV Câmara - Dom Hélder Câmara (30/11/2009)


Dom Helder Câmara - Verbos Prediletos


Dom Helder Câmara na TV de Curitiba em 1987


Dom Hélder Câmara: O Mestre da Paz

1a PARTE:


CLIQUE ABAIXO PARA VER AS OUTRAS PARTES DESTE VÍDEO:

DOM HELDER CAMARA - O SANTO REBELDE


Dom Helder, um presente do céu!


Por Padre Geovane Saraiva*
Os seguidores ou discípulos de Jesus de Nazaré são convidados a dar continuidade à obra por Ele iniciada. Ele está junto do Pai, mas ao mesmo tempo presente e caminhando com seu povo, inspirando a mente e renovando o coração de cada pessoa, deixando claro que nosso feliz destino é a glória. O mesmo Espírito de força, imprimido na mente e no coração dos discípulos, O Qual os encorajou e os animou na missão, nos convidada a acolhê-Lo no coração.
A Igreja do Brasil produziu e ofertou incontáveis dons e talentos à Igreja Universal no século vinte. Não tenho nenhuma dúvida que a maior dádiva do céu que caiu sobre seu povo, enriquecendo a Igreja Universal foi o pastor dos empobrecidos, Dom Helder Câmara, pelos seus escritos: livros, poesia e pensamentos; sua capacidade de criar e realizar; mas, sobretudo, sua força mística, em profunda comunhão com Deus, ao afirmar: “Que eu aprenda afinal, com a paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, a cobrir de véus o acidental e efêmero, deixando em primeiro plano, apenas o mistério da Redenção”.

Rezar com Dom Helder

Nossa publicação tem o objetivo de apresentar ao amigo admirador e degustador da vida do Servo de Deus e Artífice da Paz, através do nosso livro “Rezar com Dom Helder”, pensamentos, poemas, orações e fotografias na figura daquele que foi mais servo do que príncipe, mais coração do que razão, no seu sonho de perseguir a fraternidade e a solidariedade dos filhos de Deus, ao se dirigir ao Santo Padre, o Papa Paulo VI, repetindo o que alhures já nos valemos em artigo, como sugestão filial quanto profética: “Santo Padre, abandone seu título de rei e vamos reconstruir a Igreja, como nosso Mestre, sendo pobre. Deixe os palácios do Vaticano, vá morar numa casa na periferia de Roma. Pode até ter uma praça para saudar e abençoar as ovelhas. Depois, Santo Padre, convide todos os bispos a largarem tudo o que indica poder, majestade: báculos, solidéus, mitras, faixas peitorais, batinas roxas. Vamos amontoar tudo na Praça de São Pedro e fazer uma grande fogueira, dizendo de peito aberto para o povo: ‘Vejam, não somos mais príncipes medievais. Não moramos mais em palácios. Todos somos pastores, somos pobres, somos irmãos!’”.

ORAÇÃO: Graças por intercessão de Dom Helder Câmara

Ó Deus altíssimo, boníssimo e terníssimo, que quisestes se revelar em toda vossa plenitude, na generosidade, doação, renúncia e criatividade do vosso servo Dom Helder Câmara. Vivendo agora a expectativa da beatificação e canonização do vosso místico e Dom da Paz, suplicamos com humildade e confiança que venhais em socorro da humanidade, nas injustiças, dores e angústias de toda natureza por que passa a criatura humana e todo o Universo. Que o nosso bom Deus seja sempre mais louvado, através do Servo de Deus, Dom Helder, instrumento da vossa paz e do vosso amor. Usando as palavras do Santo Padre, o Papa Francisco: “No fim, encontrar-nos-emos face a face com a beleza infinita de Deus e poderemos ler, com jubilosa admiração, o mistério do Universo, o qual terá parte conosco na plenitude sem fim”(Laudato Si’, 243), na mais viva esperança, ó Pai, de vermos todas as coisas renovadas. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na Unidade do Espírito Santo. Amém. Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória ao Pai.
*07/02/1909 +27/08/1999 – Servo de Deus: 03/05/2015
Autor: Padre Geovane Saraiva, pároco de Santo Afonso, Parquelandia – Fortaleza – Ceara (CE).

CÂNTICO AO CRIADOR DAS ROSAS - Helder Camara

Pelo amor das rosas,
eu ter agradeço
a diversidade das flores.

Se rosas e apenas rosas
víssemos
em todos os jardins
de todos os tempos e todos os climas, pararíamos comovidos
diante da beleza e do perfume
da rainha das flores?

O que mais te agradeço,
em nome de minhas irmãs,
 é a diversidade de rosa a rosa
pois, a rigor,
cada uma é única
pela roupagem incomparável
com que a vestiste,
pelo perfume inconfundível
que é a tua maneira divina

de dar nome a cada uma .....

Dom Helder revela-se como articulador no Concílio

RÁDIO VATICANO
RV5221_ArticoloNo nosso espaço Memória Histórica – 50 anos do Concílio Vaticano II, vamos falar na edição de hoje sobre a atuação de Dom Helder Câmara no evento conciliar.
Após termos dedicado alguns programas à atuação dos Bispos Brasileiros no Concílio Vaticano II, vamos tratar na edição de hoje, especificamente sobre a atuação de Dom Helder Câmara. A convocação do Concílio em 25 de janeiro de 1959 fez nascer, de fato, no então Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro, uma grande expectativa em relação a mudanças profundas no seio da Igreja.

Processo de beatificação e canonização de dom Helder Camara começa no dia 3 de maio de 2015

coletiva

No próximo dia 3 de maio, fiéis de toda a Arquidiocese de Olinda e Recife se encontrarão na Igreja Catedral do Santíssimo Salvador do Mundo, em Olinda, para celebrar a abertura oficial do processo de beatificação e canonização de Dom Helder Camara. A Santa Missa, que será presidida pelo arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, apresentará os membros da comissão jurídica responsável por reconhecer as “virtudes heróicas” do ex-arcebispo e, também, a oração para pedir a a intercessão do religioso. A solenidade está marcada para às 9h.

Dom Helder: Acusações e defesas’

Quando eu pedia às pessoas que ajudassem os pobres, era chamado de santo. Mas quando fazia a pergunta: por que existe tanta pobreza? Era chamado de comunista.
(Dom Helder Camara)

Em 1970, um boletim interno, mimeografado, do Secretariado Regional Nordeste I da CNBB, presidido por Dom José de Medeiros Delgado, sob o título de ‘Dom Helder Camara: acusações e defesas’ fez um apanhado de notícias e artigos publicados nos grandes jornais do Brasil, a respeito de Dom Helder, desde maio daquele ano. Em relação às acusações, logo no início do boletim, vem assinalado que:
A imprensa brasileira vem desencadeando uma intensa campanha contra a pessoa de D. Helder Camara, Arcebispo de Olinda e Recife. Fatos comprobatórios estamos a encontrar diariamente nas páginas dos grandes jornais do país, numa prova concreta de que o Arcebispo estaria sendo tolhido nas suas manifestações. (1)

A amizade espiritual entre Paulo VI e Dom Helder Câmara

IHU - Unisinos
Adital
"Para ambos, o Vaticano II não se reduziu apenas a um evento pontual, mas era um ‘espírito’, uma ‘nova forma de ser Igreja’”, constata o teólogo.
A amizade entre Dom Helder Camara e Paulo VI teve reflexos para além da relação que ambos mantiveram ao longo de quase 30 anos. "Para ambos, o Concílio Vaticano II tornou-se uma missão”, e suas preocupações sociais repercutiram posteriormente no papado de Paulo VI, na encíclicaPopulorum Progresso e no desenvolvimento da Igreja brasileira durante o regime militar.


O santo Dom Helder Câmara

Frei Betto
Adital
Roma autorizou, neste mês, a arquidiocese de Olinda e Recife a iniciar o processo que poderá levar a Igreja Católica a reconhecer e cultuar Dom Helder Câmara (1909-1999) como santo.
Conheci-o quando era bispo auxiliar do Rio, no início da década de 1960. Homem de muitos talentos, ocupava-se também da Ação Católica, movimento que agrupava o chamado A, E, I, O e U (JAC, JEC, JIC, JOC e JUC).
Além dos anos em que participei da direção nacional da Ação Católica, convivi com Dom Helder no último período da vida dele; anualmente eu palestrava, no Recife, na Semana Teológica. Nunca deixava de visitá-lo na igreja das Fronteiras, onde residia.
Homem de baixa estatura e frágil, ele tinha características curiosas: quase não se alimentava. Comia como um passarinho. Tinha um horário estranho de sono: deitava-se por volta de onze, levantava às duas da madrugada, sentava numa cadeira de balanço e se entregava à oração. Era, como ele dizia, seu "momento de vigília”. Rezava até as quatro, dormia mais uma hora e levantava para celebrar missa.